Chá verde, chá saudável

Folhas de chá verde

A história do chá diz-nos que o consumo deste líquido quente e reconfortante começou na China há mais de cinco mil anos, país onde o chá verde é mais apreciado do que o chá preto, sendo consumido socialmente, mas também como uma forma de medicina tradicional e parte integrante do regime alimentar diário. No resto do mundo, a popularidade do chá verde é bem mais recente e o seu sucesso deve-se não só ao seu paladar fresco e subtil, mas também às suas propriedades antioxidantes, que beneficiam a saúde.

Uma história pintada de verde

Há milhares de anos que na China, Japão, Índia e Tailândia se consome chá verde, sendo ainda utilizado para o tratamento das mais variadas situações: desde o controle de hemorragias e a cicatrização de feridas, à regulação da temperatura corporal e do processo digestivo. Escrito em 1191 pelo sacerdote zen Eisai, o “Livro do Chá” (“Kissa Yojoki”) explica, de forma pormenorizada, os efeitos positivos que o consumo regular de chá verde tem sobre cinco dos nossos mais importantes órgãos (principalmente o coração), actuando de forma especialmente eficaz na redução dos efeitos do álcool, para matar a sede, evitar a indigestão, combater a fadiga, melhorar o funcionamento da bexiga e do cérebro. Actualmente, os amantes do tradicional chá preto já incluem nos seus bules o chá verde, não só pela delicadeza do seu sabor, mas também, e principalmente, devido às suas propriedades saudáveis. Uma sabedoria milenar que, embora tenha já conquistado o mundo, mantém as suas raízes históricas e sábias – ainda hoje, 90% do chá verde é produzido na China.

A primeira impressão

Tal como o chá preto e o chá oolong, também o chá verde é retirado da planta Camellia sinensis. O que o distingue dos restantes é o seu processo de oxidação e no caso do chá verde, este não é oxidado, o que faz dele o mais claro de todos os chás – varia entre o verde e o amarelo claro – e aquele que mantém um dos maiores e mais potentes níveis de antioxidantes (apenas superado pelo chá branco), o EGCG, que consegue ser ainda mais poderoso do que as vitaminas C ou E. Colhido manualmente, são apanhadas sempre duas folhos e um rebento da planta Camellia sinensis para confeccionar o chá verde. Em vez de serem oxidadas, as folhas são imediatamente cozidas ao vapor, enroladas e deixadas para secar – só assim é que se consegue preservar a sua cor verde. Existem centenas de variedades de chá verde, sendo as mais populares o Hyson, Imperial Green, Longjing, Bi Luo Chun e Da Fang, provenientes da China; o Gyokuro, Matcha e Sencha, provenientes do Japão.

A sua preparação

Preparar uma bela chávena de chá verde é fundamental para potenciar o prazer de o saborear e, neste processo, a temperatura da água é um factor crucial, uma vez que é ela a responsável por fazer sobressair as melhores qualidades do chá verde. Se estiver demasiada quente, grande parte do seu aroma delicado será perdido e o chá apresentará um sabor muito amargo; se a água estiver muito fria, não irá conseguir extrair, por completo, os sabores que as folhas do chá verde guardam. O ideal será uma água aquecida entre os 60°C e os 85°C. O segundo passo mais importante é o tempo de infusão, sendo que o chá verde requer apenas entre 1 a 3 minutos, no máximo, para não azedar. Enquanto o chá verde japonês está no seu melhor com 1 ou 2 minutos de infusão, o chá verde chinês necessita de mais, em geral, 2 ou 3 minutos. A regra de ouro para uma chávena de chá verde deliciosa é: quanto mais fria a água, mais tempo de infusão é necessário.

Mil e um benefícios

Embora os povos asiáticos o sabem há centenas de anos, só agora é que o mundo científico está a comprovar os aclamados benefícios do chá verde, que incluem:

  • Benéfico no aumento do metabolismo e, consequentemente, no queimar de calorias, sendo ideal em planos de emagrecimento ou de manutenção de peso;
  • Protege o coração, ao diminuir os níveis de colesterol e a pressão arterial;
  • Eficaz no combate à artrite;
  • Purifica o organismo, eliminando toxinas nocivas;
  • Contém apenas um terço da cafeína presente num café normal;
  • Muito eficiente contra o mau hálito;
  • Embora ainda esteja a ser alvo de estudos intensivos, acredita-se que o chá verde possa ter um papel importante na prevenção do cancro do pulmão, esófago, estômago, bexiga, cólon, recto, pâncreas, fígado e próstata;
  • O chá verde é ainda visto como um possível agente retardador de doenças degenerativas como Alzheimer e Parkinson; ou como peça chave no tratamento de esclerose múltipla e diabetes; na diminuição dos níveis de stress e no fortalecimento do sistema imunitário; embora todas estas suposições estejam ainda em fase de investigação.

Mesmo assim, são factos que vale a pena digerir…

A sua votação: